Crítica – Guerra ao terror (The Hurt Locker, 2009)

* Eu ia começar o post dizendo que era um absurdo esse filme ter vindo direto pra DVD no Brasil, mas acabaram de anunciar que o filme conseguiu distribuição aqui pela Imagem e deve estrear dia 5 de Fevereiro. *

De tanto ler as críticas lá de fora, já ficamos condicionados a dizer que The Hurt Locker (o nome original é tão mais legal) é o melhor filme sobre a Guerra do Iraque, mas for real, quantos filmes você viu sobre o tema? Eu só vi Stop -Loss, da Kimberly Pierce, que foi meio decepcionante, e to na pilha de ver The Messenger (2009) que ainda não estreou por aqui. Mas de resto não me lembro de mais nenhum, então não vou enquadrá-lo como um filme de guerra, mas como um filme que me deixou tensa por 2 horas e valeu cada segundo.

O filme começa bem, desde os créditos iniciais com toda estética documental, até o desfecho da primeira cena, alucinante. Pra mim o grande trunfo do filme está nas mãos de Kathryn Bigelow, a diretora e produtora do filme. Sério, ela realmente deu uma aula de como filmar um filme desse porte, sem perder a sensibilidade em favor de cenas de explosão e “bang bang”. Realmente merece o Oscar de direção, e assim quebrar o tabu (ridículo) de nenhuma mulher jamais ter levado uma dessas pra casa (foram quatro indicadas até hoje). Vai deixar o ex-marido, James Cameron, comendo poeira.

Outro ponto forte do filme é o ator Jeremy Renner, que pra mim sempre foi figurante de filmes como Reis de Dogtown e O Assassinato de Jesse James… além de séries, como Angel e House. Mas depois de THL a coisa mudou, e o cara está figurando em todos os prêmios de crítica e desentendidos (aka SAG, rs), e realmente ele manda muito. Consegue atingir o ponto perfeito entre o junkie de adrenalina, e o pai de família, que sente cada momento passado no “inferno”. Ele consegue ser impulsivo (leia-se “porra loca”) ao mesmo tempo que cuida de sua equipe com imensa responsabilidade.

Um pequeno spoiler? A cena de comemoração com bebedeira e porradaria pós-ação é paralisante, animalesca, e captura bem o que ambientes como esse provocam em homens que nunca mais voltarão a ser “normais”.

Nota: 9,5

Uma resposta a Crítica – Guerra ao terror (The Hurt Locker, 2009)

  1. […] chega aos pés da tensão e reflexão que Hurt Locker provoca. Já fiz uma crítica do filme (leia aqui), mas o que é a cena do supermercado? Simplesmente […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: