Crítica – Orgulho e preconceito (Pride & Prejudice, 2005)

Minha memória é extremamente seletiva, mas eu consigo me lembrar claramente de ver o trailer de Orgulho e Preconceito nos cinemas e pensar “Esse filme deve ser um saco”. Primeiro porque eu não entendia qual era o drama da parada, segundo porque filmes de época já me deixa com ar de pouca paciência, ainda mais se for frufruzinho, seguindo a linha da categoria que eu mais odeio pra cinema: Chickflicks. Sério, isso é um tapa na cara do mais leviano feminismo. Mas anyway, vamos falar do filme.

Sim, eu tinha vários preconceitos com esse filme, e infelizmente perdi uma das experiências mais maravilhosas, cinematograficamento falando, que posso imaginar, já que não vi essa obra de arte numa tela de cinema. Porque convenhamos, o filme é de uma beleza impar, combinando excelente direção de arte, com fotografia, cenários e trilha sonora aos cuidados de Joe Wright, diretor do filme. Se eu tivesse acesso as fotos em alta resoluação, fazia quadros de frames desse filme.

Mas o que me fez dar uma chance a esse filme que até então eu julgava que seria mais um Razão e Sensibilidade (outra obra de Jane Austen adaptada para o cinema com grande elenco e diretor, mas que eu particularmente detesto)? Foi a opinião de um grande amigo meu, que anda muito ausente desse blog, Sr. Rodrigo Step Twin, que pegou pesado e disse que possivelmente era o melhor filme de 2005. E esse não é o tipo de comentário que eu, ou meus amigos, levamos de modo leviano. Um comentário tão sério desses, vindo de uma pessoa que eu conheço bem e respeito artisticamente falando, resolvi dar uma chance e assistir ao filme.

Fiquei completamente apaixonada pela riqueza de detalhes, carisma dos personagens e a maneira como o “amor conto de fadas” acontece, que é exatamente de uma maneira não muito convencional, e isso me conquistou na hora. A força da protagonista Elizabeth Bennet (Keira Knightley, que ganhou meu respeito aí, e depois em Atonement, do mesmo diretor) é revigorante. A maneira como ela se impõe, compartilha suas opiniões, e nunca abaixa a cabeça, somente quando admite ter errado é o motivo maior da minha paixão por esse filme. E claro, Mr Darcy. Porque ele começa como um arrogante e já no meio do filme revela que as percepções da protagonista, assim como dos espectadores, está completamente errada.

Simplesmente uma delícia assistir a esse filme. Dois anos depois desse filme, Wright se juntou a basicamente a mesma equipe técnica do filme, e Keira Knighley para fazer o também maravilhoso Desejo e Reparação (Atonement), mas ai já estamos falando de outro post. Vou fechar esse então dizendo que foi uma das melhores coisas que fiz, deixar de lado meus preconceitos com filmes “mulherzinha” e assistir a um dos melhores filmes que já vi. Simplesmente lindo demais, e daqueles que você pode ver e rever quantas vezes quiser e vai sempre se deliciar. Além de achar novos pequenos detalhes…

Minha nota? 10,0 – é claro!

21 respostas a Crítica – Orgulho e preconceito (Pride & Prejudice, 2005)

  1. Allan Caetano Ramos diz:

    Aaaaaaa! Eu AMO esse filme e assisti-lo no cinema foi uma experiência única: ainda me lembro do dia. E o gostoso do filme é justamente esse jogo que Jane Austen faz com seus leitores sobre a imagem do Mr. Darcy e sobre as más impressões que as pessoas têm umas das outras e que elas alimentam de forma inconsciente e irracional. Muito bonito ver a desconstrução do monstro na mente de Elizabeth e é de emocionar a cena em que o Mr. Bingley se ajoelha na frente de Jane pedindo-a em casamento. Fico feliz de que vc tenha gostado do filme.

  2. ftostes diz:

    That was a real Jane Austen Book Club moment.

    Eu sou suspeito pra falar, né? Sou Jane Austen geek, e gosto até de Razao e Sensibilidade. Mas esse é mais lindo mesmo, acho que é um dos casos onde o filme casa perfeitamente bem com o livro. O Joe Wright ganhou muito crédito comigo, que só aumentou com o Atonement. A fotografia com certeza é das coisas mais lindas, assim como a trilha, a interpretação da Keira, a direção de arte… Amo muito esse filme. E a história de amor, sem beijo no final (só nos extras do dvd, oh lord), é uma história de amor linda. Ai, vontade de rever…

    • O beijo no final só existe na versão americana do filme. Impressionante como virou uma exigência prum público mais “pipoca”. Coitados, não puderam nem opinar. o filme fica muito mais intenso sem o beijo concreto. A cena em que eles discutem na chuva é de uma tensão muito maior que qualquer beijo poderia provocar naquele filme.

  3. step twin diz:

    I told you so!😛

    filme brilhante

  4. Cida diz:

    Eu concordo com tudo e mais…eu também perdi no cinema também choro todas as vezes que lembro que fiz esta besteira. Comprei o DVD e já assisti umas 50 vezes…memoravél.

  5. ftostes diz:

    A prolixidade do Step Twin me assusta.

  6. Eu amo esse filme. Também tinha muito preconceito, mas quando assisti, fiquei de cara. O QUE É ESSE MR DARCY, MINHA GENTE?! Sou apaixonada pelo Mr Darcy do Colin Firth, mas esse acabou comigo. A cena na chuva, e o final, nooooossaaaaa.

    E todo o resto, todos os outros personagens, as outras histórias, os atores, é tudo muito legal. Atonement não me fisgou muito não; acho que Joe Wright foi mais feliz nesse filme. O plano sequencia da festa e as cenas dela na casa dele, vendo as obras de arte… Lindo.

    Ok, devo confessar: quando o filme acabou e não teve beijo, fiquei MEGA decepcionada. Pensei ‘O quê?! Fiquei nessa tensão, torcendo o filme inteiro, e não tem nem um beijinho?!’ Daí vi no DVD: ‘final alternativo pros EUA’. Me senti uma espectadora hollywoodiana mal criada. =/

  7. Marcela diz:

    eu amo a jane austen e as irmãs brönte!

    e amo as adaptações hehehehe

    essa com certeza é a mais bonita de todas.
    mas p quem gosta desse estilo, super recomendo as séries e filmes que a BBC inglesa produz, altíssimo nível, atuações impecáveis e sotaque inglês, ADOURO!

  8. d. diz:

    cara, sou simplismente apaixonada por esse filme. ele e atonement. vejo todas as vezes que eles passam perto de mim. acho que coisa bonita nunca enjoa… rs

  9. […] Quem quiser ler a crítica já feita no blog, clica aqui. […]

  10. Ilze diz:

    Eu amo esse filme.Não tive a chance de vê-lo no cinema e quando o assisti a primeira vez eu etava de TPM , daí eu o julguei de forma errada , achando q tinha me emocionada tanto por estar mais emotiva , lêdo engano.
    Todas as (inúmeras,rsrs) vezes em q eu o vi me emocionei.
    É lindo , delicado e sensual sem q haja um beijo sequer.
    Bem escrito, bem dirigido e com atuações maravilhosas.

  11. Elessandra diz:

    O filme é bom, mas como é de se esperar, como tantos outros, não é melhor que o livro. Para o filme dá-se para perceber que fizeram muitas alterações referentes ao livro. Claro que o filme é apenas baseado na história do livro, mas acho que os fãs esperavam mais, é claro que as atuações são fantásticas, escolheram ótimos atores. Mas ouso dizer que o livro é mais gostoso de se ler do que assistir o filme. Pois se vocẽ lê primeiro o livro, você já criou a história inteira em sua mente aí quando assiste o filme vẽm a decepção, pois não é muito,às vezes nada, parecido com a história do livro. No entanto o filme também é fantástico, as alterações ficaram boas, não fica muito atrás do livro.
    Jane Austen é a maior escritora romancista dessa época, com certeza. Talentozíssima escritora inglesa. Nota para o filme? O maior número que conseguir imaginar. Nota para o livro? Infinito.

  12. Mariana diz:

    I love, I love and I love you. Sad mr. darcy and I say to this filme

  13. Simplesmente…Maravilhoso!!!
    Livro & Filme.
    Abraço,
    Sueli Colbert

  14. marcos antonio diz:

    Como disseram nos comentários, o filme é muito bonito, com um desenrolar que impressiona, talvez um pouco até previsivel, mas que prende que esta assistindo, e deixa no final um gostinho de quero mais e ai reside o mistério pelo fascinio neste filme e porque quem assistiu ele não se contenta em assistir apenas uma vez, a viagem é muito bela e parece que estamos nela… sem dúvida é uma obra prima que a academia não reconheceu, mas quem tem sensibilidade e razão sabe muito bem que Orgulho e Preconceito, se não for a melhor, esta entre os tres melhores filmes de romance que já foi feito, um abraço a todos que assistiram e se emocionaram como eu!

  15. ENOCH diz:

    Jesus Crucificado : Fenômeno maravilhoso

    Depoimento textual do pároco de então, Padre Carlos Guillena
    “Faltavam quinze minutos para às 19h de sexta-feira, 26 de janeiro de 1968. Era o segundo dia do tríduo a Jesus Crucificado pelas vocações sacerdotais e pela santificação do clero. Estavam presentes umas quarenta pessoas. Como não havia chegado quem devia prepara o altar, subi até o pedestal da imagem a fim de colocar velas nos castiçais. Fiquei surpreendido ao deparar uma mancha vermelha. Voltei e comentei que teríamos a imagem por pouco tempo, pois, esta-va soltando tinta e pensei que iria desmontar-se em breve. Enxuguei o líquido do pedestal até ficar limpo por completo. Celebrei a missa e no final houve bênção do Santíssimo.

    Foi então que outras pessoas perceberam que dos joelhos e das chagas do Crucificado goteja-va sangue. Procurei olhar aquilo com naturalidade e dizer a todos que era a tinta que se des-prendia da imagem. Após a insistência do Sr. Jonas, sacristão, decidi subir novamente e cons-tatei juntamente com outras pessoas que, de todas as chagas, inclusive da boca, estava saindo um líquido vermelho que escorria gota a gota até o pedestal. Depois de analisado, comprovou-se que esse líquido era sangue humano.

    Eu, Padre Carlos Guillena Rodrigues, Vigário, posso atestar isso.”

    O Dr. Enéas Heringer, Farmacêutico e Bioquímico, examinou o líquido vermelho que manou da imagem de Jesus Crucificado, INRI, atestando “tratar-se, realmente, de sangue” cujo atestado vai aqui reproduzido. http://www.portodascaixas.com.br

  16. RITA SILVA diz:

    amo,amo e amo esse filme, esperei o beijo no final,mas o toque,o olhar a música o cenário foi mais intenso,então foi lindo……

  17. Aninha Souza Machado diz:

    vai dar o cu dii vooces!!
    eu espereii o filme inteiro pra veer a DROGA do beijo q num teve naada! puxa o filme é fabuloso, brilhante, maravilhoso enfim tudo de boom! mas…faltoou o beeijo deles!
    MERDA!

  18. Adelayde diz:

    Não sei se é um defeito ou uma qualidade, sou muito detalista e observadora, além da parte mais bonita que ele declara seu AMOR! a cena na chuva.
    achei lindo qdo ela vai em direção ao piano pra tocar, e ele a olha de rabo de olho e depois caminha até a ela. Ache ele perfeito para o papel.
    Ele consegue ser bom até calado a expressão em cada
    cena o olhar sério e observador e aquele sorriso lindo qdo Elizabeth e seus tios vão a casa dele conhecer sua irmã Georgiana, a cara que ele fez qdo
    sua irmã revelou seu segredo dizendo que ela tocava pino muitissimo bem, qdo na verdade não tocava nada.
    Sem dúvida é um grande ator.
    Bjs,
    Acho que me empolguei. Falar do SR.DARCY é…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: