Crítica – Besouro

Besouro conta a história do maior capoeirista de todos os tempos, uma figura mítica dentro da historia brasileira, que defendeu os direitos dos negros após a abolição da escravidão e a liberdade religiosa e cultural. E apesar do preciosismo estético, o personagem merecia um roteiro mais bem elaborado e atores mais experientes, num filme que promete muito, mas fica no meio do caminho. Eu juro que pensei que podia ser algo bom. A cultura negra tem todos os elementos necessários pra criar um universo místico interessante, e somando os efeitos do “cara que fez O Tigre e o Dragão”, poderia ser no mínimo um filme de ação legal. Quem me dera. Devia ter desconfiado do fato desse longa ser o primeiro de um diretor de comerciais.

Tudo começa a dar errado logo no começo. O besouro digital da primeira cena fica bem inferior a qualidade dos efeitos do resto do filme, e com ele surgem cartelas intermináveis, redundantes e com uma narração cansativa do Milton Gonçalves (trabalho este que o ator já havia feito, e com muito mais habilidade e com melhores resultados no curta de animação Yansan, de Carlos Eduardo Nogueira). Com isso, já fica estabelecido o tom do filme, em que tudo vai ser mastigado ao máximo para o espectador.

O maior problema do filme reside na abordagem do personagem principal. O roteiro trata Besouro como uma pessoa vaidosa, irresponsável, e que após cometer um erro, que leva seu mestre a morte, se refugia na floresta para pensar enquanto seus amigos são castigados pelo branco opressor. Ele então parece fazer um pacto com os orixás, ganha superpoderes, fecha o corpo e começa a combater o mal. Ele não possui nenhuma virtude que o caracterize como merecedor do posto de herói, além de ser um bom lutador. Até suas atitudes, de queimar o canavial e quebrar máquinas, parecem insensatas e mal planejadas. Enquanto Mestre Alípio, em menos de 5 minutos em cena, parecia articulador, e com ambição de unir os negros para conseguir seus direitos, Besouro parece acreditar que se isolar e tomar atitudes sem explicação vão libertar os ex-escravos da opressão. E Ailton Carvalho, ex-guia turístico e professor de capoeira, não consegue conferir a complexidade necessária pra um personagem tão dúbio.

Como se não bastasse um protagonista mal de desenvolvido, ele ainda se envolve em um triângulo amoroso tão defeituoso quanto. Embora Jessica Barbosa seja facilmente a melhor atriz do elenco, é triste ver como sua personagem abandona seu namorado de infância para se envolver com Besouro. Ela mesmo pertencente a uma outra subtrama interessante e mal elaborada, do abuso sexual das ex-escravas, e acaba se perdendo em uma história de amor pouco interessante.

Decisão mais acertada seria focar no misticismo da história. É onde o roteiro flui melhor, as cenas de luta e vôo são melhor inseridas e o filme faz mais sentido. De resto, os personagens são facilmente manipulados pelo vilão Coronel Venâncio. É quase irritante a forma como ele convence a população negra de que está do seu lado, depois de tudo que eles passaram, e como arranca uma informação importante de Quero-quero, a terceira ponta frouxa do triângulo amoroso.

O filme tem seus pontos positivos. A música foge um pouco do lugar comum, e embora seja mal utilizada em alguns momentos, no geral ela é muito boa. A fotografia é bonita, as cenas de luta são bem elaboradas, e pra quem ignorar o roteiro, pode até se divertir. Não é a toa que o filme fez 500 mil espectadores nos cinemas, cifra alta pra um filme sem atores globais no elenco. Funciona melhor como filme de ação e misticismo, e deve agradar aos adeptos da capoeira, que já conhecem a história de Besouro e não precisam de um roteiro inteligente para lhes informar. Mas baseado no filme, Besouro foi apenas um irresponsável, que nem ganhando superpoderes conseguiu ser um herói eficiente.

2 respostas a Crítica – Besouro

  1. Já não tinha muita vontade de ver esse filme antes, agora então menos ainda. To muito mais curiosa pra ver o Melhores Coisas do Mundo, que todo mundo tá falando bem, inclusive você, my dear wicked twin🙂

  2. Julie diz:

    O comentário é válido mesmo se eu disser que nunca tinha ouvido falar desse filme, e agora que ouvir não vou nem pensar em assistir? To com a Rafa e quero saber mais sobre as “Melhores Coisas do Mundo”… Fiquei curiosa já que eu não dava nada e tá todo mundo falando bem…

    beijos

    Julie

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: