Crítica – Maré de Azar

Maré de Azar é o novo filme de Mike Judge, mais conhecido por ser o criador de Beavis e Butthead, e do filme Como enlouquecer seu chefe. Um cara promissor nos anos 90, e que ficou por lá, desde então não fez nada que merecesse qualquer atenção da crítica ou do público.

O tema continua o mesmo, uma crítica a sociedade dos subúrbios americanos e ao ambiente de trabalho. A trama gira em torno de Joel (Bateman), dono de uma bem sucedida fábrica, envolto com problemas no casamento e um funcionário tentando processar sua empresa. O grande problema de Maré de Azar é o roteiro falho. Pra uma comédia, falta graça, ritmo, uma direção com mais timing cômico. A maioria das cenas são mal aproveitadas, e a impressão que fica é que no fundo existia um bom material, perdido em clichés e decisões equivocadas.

Jason Bateman defende o protagonista com muita dignidade. O personagem é naturalmente chato, e suas atitudes são absurdas, mas ainda assim nutrimos um carinho por ele. Mesmo quando ele, apesar de ser formado em Química, aceita tomar uma droga sem rótulo, sem saber o que é, vindo de uma caixa misteriosa cheia de outros remédios, dada por um amigo descerebrado.

Os coadjuvantes são meio a meio. Enquanto J. K. Simmons e Kristen Wiig roubam todas as cenas em que aparecem, sendo o ponto alto de uma comédia sem risos, Ben Affleck e Mila Kunis são provas de superação quanto a má atuação. Affleck consegue transformar seu personagem em algo quase vergonhoso, e o filme renderia muito mais nas mãos de um comediante melhor, como Seth Rogen ou Jason Segel. Mila Kunis aparece pouco, e ao final do filme me perguntei se não seria possível cortar sua participação na edição. Tão canastrona quanto se é possível, me lembrou um pouco a Luana Piovani em Mulher Invisível. Sua única função era ser bonita e um mínimo de atuação, e ainda assim ela conseguiu decepcionar. Mas para não colocar todo o peso na atriz, toda a trama que envolve sua personagem é fraca, principalmente em sua resolução.

Cara de Estou com Vergonha da minha atuação

Maré de Azar ficou com um gosto de anos 90, não se atualizou, e principalmente, não foi bem feito. Quase uma tentativa de ser indie, ou comercial como um filme de Judd Apatow, não acertou em lugar nenhum. Um filme que merecia ir direto para o mercado de DVDs.

Uma resposta a Crítica – Maré de Azar

  1. Hahahahaha, a foto da Mila Kunis tá ilustrando muito bem a sua crítica. Tão fake e atuação zero quanto imagino ser.

    E eu s2 a Kristen Wiig! Ainda bem que ela não fez feio no filme, e parece que já já vai se redimir com McGruber🙂

    Bom, taí um filme que eu certamente não vou ver nos cinemas… E provavelmente nem em dvd a menos q eu esteja com mta vontade de ver a Kristen atuando…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: