Crítica – Coincidências do Amor

Jason Bateman, que já foi visto nos cinemas esse ano (por quase ninguém, diga-se de passagem) em Maré de Azar (Extract, 2009), é o protagonista deste novo filme sobre inseminação artificial. Ele interpreta Wally Mars, um sujeito com sérios problemas de socialização e que é apaixonado pela melhor amiga Kassie (Aniston). Quando ela decide engravidar por conta própria, Wally, bêbado e dopado, joga fora o conteúdo do frasco de doação de esperma e substitui por sua própria doação. O único problema é que ele sequer lembra disso, e só vai descobrir 7 anos depois, quando enfim conhece a criança.

Existem alguns fatores que podem te fazer querer ir ao cinema ver Coincidências do Amor (The Switch, 2010), e todos eles são enganosos. Por exemplo, você pode ter sido atraído pelo pôster, onde Jason Bateman cheira um vidro com a “doação” alheia, e pensar que o filme é uma comédia rasgada de humor escatológico. Ou pensar que a presença da Jennifer Aniston seja o suficiente pra garantir uma história romântica, perfeita pra ir acompanhado. Ou até mesmo pensar que existe alguma coincidência no filme, como o título sugere, mas até isso é propaganda enganosa. Nada no roteiro está ligado ao acaso e poderia ser considerado uma coincidência.

O que salva o filme de ser apenas uma comédia romântica é o fato da história ser centrada no personagem de Bateman, e não no de Aniston. Embora ela seja apenas mais uma mulher moderna em busca de um homem e que desiste de esperar, Wally é um personagem mais politicamente incorreto, e seus diálogos não são ruins. A relação entre a criança (um mini-Wally, se é que isso é possível) e o pai é mais importante e interessante do que a de Wally com Kassie, e quando o filme foca nisso, ele sai do lugar comum (não muito, mas o suficiente).

Em compensação, Roland, personagem de Patrick Wilson que deveria ser o doador original, e que todos pressupõem ser o pai da criança, se torna um elo fraco, na medida que ele não consegue envolver a platéia de forma alguma. Suas tentativas de se relacionar com a criança são deploráveis, e embora pareça gostar de Kassie, a impressão que fica que é mais de dor de cotovelo do que de amor. Roland nunca é totalmente interessante, e a sombra da ex-mulher, numa relação que não é aprofundada no roteiro em momento algum, está presente o tempo todo. É difícil se identificar com ele quando a todo momento somos levados a crer que ele simplesmente não consegue lidar com a rejeição, e vê em Kassie a oportunidade de continuar de onde parou, numa família já formada, como se com isso pudesse apagar o seu divórcio.

O triângulo amoroso então se enfraquece consideravelmente. É triste perceber que ao poder optar entre deixar a trama mais complexa e interessante ao colocar um terceiro elemento, que poderia complicar ainda mais a vida do protagonista, os diretores Josh Gordon e Will Speck (de Escorregando para a Glória [Blades of Glory, 2007]) prefiram manter a trama rala e óbvia, com seu final feliz garantido. Não é a toa que o romance fique em segundo plano, e o talento de Bateman e até mesmo de Jennifer Aniston se sobressaia mais exatamente na relação com o filho, interpretado por Thomas Robinson.

Vale destacar também o péssimo trabalho de Jeff Goldblum, como o melhor amigo excêntrico de Wally, que consegue estragar todas as suas cenas. Goldblum, aliás, deveria seriamente considerar a aposentadoria, já que não entrega uma boa atuação há muito tempo. Juliette Lewis merecia uma personagem melhor escrita, e é irrelevante para a história. É outra atriz que já teve atuações muito melhores e precisa rever sua carreira.

Coincidências do Amor é um dos três filmes americanos a abordarem de alguma forma a inseminação artificial que foram produzidos em 2010. Não é o melhor, essa posição é de Minhas Mães e Meu Pai (The Kids Are All Right, 2010). Também não é o pior, já que no dia dos namorados fomos “presenteados” com Plano B (The Back-up Plan, 2010). E isso diz muito sobre o filme, mediano, entretenimento leve, mas não tão medíocre quanto se poderia esperar.

2 respostas a Crítica – Coincidências do Amor

  1. Rafinha diz:

    Nhe, nao tenho vontade de ver esse filme non. To mais pra Minhas mães e meu pai (c#%^* que titulo podre – qual é a distribuidora mesmo?) que deve ser foda e to aqui morrendo de inveja que vc ja assistiu ;P

  2. ftostes diz:

    sério que não tá passando na Europa? Ou você é uma daquelas que acha que em viagem, não se deve perder tempo vendo filme? Outrageous!!!

    Festival começou aqui, amore, já vi 6! uhuuu!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: